quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Micro conto insólito 49


- Vou avançar deserto adentro, volto amanhã de manhã. O Atacama é bonito e silencioso a noite. Não gostaria de ir junto?
- É perigoso.
- Estou levando suprimentos para vários dias, e avisei o pessoal do laboratório.
- Ok, vou junto então.
Horas depois, longe de tudo.
- Veja esta planta, ela floresce somente nesta época do ano. Seu pólen é extremamente nocivo para alérgicos.
- Quero... preciso ficar longe disso.
- Um pouco tarde, seu rosto já está vermelho.
- Meu anti histamínico...
- Talvez você ache o tubo vazio nas suas coisas. Da mesma forma que eu não achei os dados da pesquisa que você roubou e vendeu ao laboratório rival.
- Você não entende.
- Entendo sim... você conseguiu uma pequena fortuna com minha pesquisa e eu tive de partir para outra, já que o outro laboratório atingiu a meta.
- Não consigo... respirar.
- Dedução concisa mas sem originalidade. Adeus Janete.


Micro conto insólito 48


- Não aguento mais esses cachorros
- O Sr. não acha que deveria ter uma lei contra essa barulheira?
- E tem, mas ninguém a respeita, nem mesmo a policia.
- Dá vontade de sumir com todos esses bichos.
- Se morrerem, os donos conseguem outros, e o ciclo recomeça.
- Então é melhor sumir com os donos... os cachorros vão para o canil da prefeitura.
- E não é que a senhora teve uma boa ideia? < Sorrindo sem usar os olhos >
Dia depois...
- O Sr. viu que os donos daquele cachorro grande morreram de repente?
- Morreram? Qual o motivo?
- Ataques de coração, consecutivos, o marido morreu primeiro.



Micro conto insólito 47


- Quarenta ovos por 10 real.
- Amaciante, água sanitária...
- Vassouras, rodos, vassouras e rodos...
- Pamonhas, pamonhas...
- Pizza baratinha...

- Eu não aguento mais esses carros de som, e o Sr?
- Se pudesse eu os impediria de circular pelo bairro.

Dias depois...
- O Sr. percebeu que a rua está quieta? Sumiram os carros de som.
- Deram um alívio.

Mais alguns dias...
- O Sr. viu que horror?
- Vamos por partes, o que onde e como?
- O Sr.viu um ônibus parado na praça no fim da rua de baixo?
- Um amarelo?
- Isso, os carros de som estão estacionados na rua e os donos estão dentro do ônibus todos.
- Por isso as sirenes e todos aqueles carros de policia passando?
- É, disseram que estão esquartejados e organizados em montes, todos com preços baixos...
- Com licença, vou passar mal dentro de casa.



Micro conto insólito 46


- Você ganhou.
- É ganhei, sozinho.
Dias depois. - Precisamos conversar... esqueça o passado, você tem dezenas de vezes o que te tomaram. Não pense em vingança, elas sempre são caras.
- Mas era a minha vida.
- Sua vida é aqui e agora. Vamos passear, Europa, você pode novamente, vamos de navio.
Semanas depois em Roma. - Eu vi na internet, seu antigo rival morreu em um incêndio, ele e o irmão.
- Eu soube... mas agora tudo é passado, como você disse, a vingança é sempre cara.


Micro conto insólito 45


- Cheguei... Olá... Onde você está? Saiu...
O celular toca. - Não vai voltar para casa?
- Eu acabei de chegar. E você? Onde está?
- Está brincando? Eu estou na sala. Diga onde você está metido.
- Eu estou na sala.
- Pare com isso, e volte para casa, pediremos uma pizza.
- Eu estou com a pizza aqui e sozinho.
- Você está me deixando assustada... e eu estou sentindo cheiro de pizza.
- Ei! Estou vendo aqui, você está ligando do telefone fixo? Como pode se ele está na base?
- Ele está na minha mão...


Micro conto insólito 44


- Novamente? Você sabe que isso não é possível.
- Eu quero cumprir a minha parte do contrato.
- Eu não estou preocupado com isso, aproveite. Você tem a eternidade como pediu.
- Eu não aguento mais, preciso terminar com isso.
- Ora, você tentou me ludibriar pedindo vida eterna. Conseguiu.
- Olhe, me tire disso, eu estou ficando louca com essa solidão, todos meus amigos já morreram. Eu morro e você fica com a minha alma. Era esse o trato.
- Eu fiz a minha parte, aí está; quanto a sua alma... sempre foi minha.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Micro conto insólito 43


- Venha para o meu apartamento, algo está tentando invadi-lo.
- Você sabe que horas são?
- Desça para cá agora, e armado.
- Ok, vou descer até o 14º de elevador, vou para o seu andar de escada e surpreendo quem estiver na porta.
- Venha direto pelo elevador, eu disse que algo, e não alguém, está tentando invadir o apartamento, e é pela janela Norte. Corra para cá.