sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Photo


.

.

Veja a chamada na capa dessa revista: This is not a photograph!
Vale a pena ver isto.
.
.
.

Enlargement

.
.
Recebido via e-mail.
.
.
O PINTÃO

Querem que eu aumente o pênis. Recebo diariamente uns dez ou doze e-mails com títulos estranhos recomendando técnicas e pílulas milagrosas para aumentar o pênis.
Você também recebe, né?
Conversei com amigos e amigas e todos recebem o mesmo tipo de mensagem, o que foi um alívio para mim. Já estava achando que era sacanagem de alguém que me conhece...
Um dos mails recentes prometia aumentar o bitelo em questão de horas. Não comprei. Tive medo que fosse uma caixinha com um marimbondo bravo...

Gasto muitas horas diárias limpando minha caixa postal e respondendo às mensagens. Cada vez que encontro um computador por perto, dou uma consultada. Sabe como é, pode ser que apareça “aquele” e-mail que vai mudar minha vida, não é?
Já li a respeito das preocupações com o vício pelos e-mails.
E também recebo recomendações para parar de responder, que e-mails consomem tempo demais e que pouco se produz quando ficamos horas e mais horas respondendo às mensagens.
Mas... Será?

Acabo de ler uma notícia dando conta de que receber e ler e-mail é saudável, já que pode mudar os hábitos de uma pessoa. A notícia fala de um estudo de cientistas da Universidade de Alberta, no Canadá.
Segundo eles, o fluxo constante de e-mails com sugestões e conselhos referentes ao excesso de peso, por exemplo, pode mudar as perspectivas de uma pessoa assim como seu comportamento e sua atividade física.
A investigação, realizada com 2.598 trabalhadores canadenses, revelou que as pessoas que recebem e-mails desse tipo têm níveis mais altos de atividade física. No fim do estudo, elas também tinham mais confiança em suas possibilidades de fazer exercício, sendo capazes de reconhecer as vantagens dessa atividade e das mudanças na dieta. Durante o estudo, os que leram e receberam e-mails conseguiram reduzir seu índice de massa corporal (IMC), que determina se uma pessoa está gorda ou não. Já o índice de massa corporal dos que não receberam e-mail, aumentou levemente, disseram os cientistas da universidade canadense.

Quer dizer que é tudo uma questão de repetição? Informatizaram Goebels? Seqüências de e-mails sobre o mesmo tema podem fazer a cabeça da gente? E provocar uma reação?

Oba! Então voltarei aos e-mails que prometem me transformar numa máquina de prazer que enlouquecerá as mulheres. Os e-mails do pintão. Nunca dei bola, mas agora, com essa pesquisa canadense, acho que vou considerar melhor a coisa. Já pensou se o negócio funciona? De tanto receber as mensagens e pensar a respeito, o pinto cresce? Uma nova perspectiva de vida, aos cinqüenta anos!

Focarei minha vida no baixo ventre! Nada de pensar, de refletir, de criticar... Chega!

Chega de Ideli, Renan, Gugu e Faustão.

No Brasil dos pocotós, da mentira e enganação. A verdade jamais ganha da ilusão. E por mais que se queira ter opinião. No fundo, no fundo, o que interessa: É o tamanho do pintão.

Deixa eu checar meus e-mails...

Luciano Pireshttp://www.lucianopires.com.br/

Para garantir que nossos comunicados cheguem em sua caixa de entrada,adicione o email cafebrasil@lucianopires.com.br ao seu catálogo de endereços.O CAFÉ BRASIL EDITORIAL respeita a sua privacidade e é contra o spam na rede.Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele sua inscrição aqui.
.
.
.

Evel Knievel


.


.


.


A lenda viva deixou este mundo.




Ele teve várias chances de fazer isso, sempre as procurou.











.

.

.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Os bandidos de outrora eram diferentes

.
.
.
Esta notícia poderia ter sido atribuída 'a D. Marcia há alguns anos atrás:

Mulher reage a assalto e espanca o bandido.

Essa é a chamada do
Globo Online. De uma olhada na reportagem, a pergunta que não quer calar é: o assaltante ficou com aquela cara antes ou depois da tentativa de assalto?

O malandro tentou levar sua corrente, foi jogado no meio do trânsito, fugiu sem a corrente...

Ná dúvida, pedi o divórcio...
.
.
.

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Tem coisas que nunca mudam

.
.
.
SÃO PETERSBURGO - Apenas uma semana antes das eleições parlamentares na Rússia, a prisão do ex-campeão de xadrez e líder do partido de oposição Frente Cívica Unida (FCU), Garry Kasparov, e o assassinato de um candidato da formação liberal Yábloko, Farid Babáev, colocaram a campanha eleitoral russa em evidência, e abriram uma crise no país. A oposição acusa Vladimir Putin de forjar um sistema de partido único, similar ao que existia nos tempos do Partido Comunista da antiga União Soviética. ( Veja fotos de protesto na Rússia )

No sábado, Garry Kasparov foi detido e condenado a cinco dias de prisão durante uma manifestação. Neste domingo, representantes do partido disseram não saber qual seria o paradeiro de Kasparov, e exigiram sua "imediata libertação".

Além de Kasparov, também foram detidos no sábado o escritor Eduard Limónov, líder do extinto Partido Nacional Bolchevique, e Iliá Yashin, líder juvenil da formação Liberal Yábloko.

- Estamos preocupados por não saber como e onde (Kasparov) se encontra. Exigimos sua imediata libertação", assegurou Denis Bilunov, diretor do FCU.

Ainda de acordo com representantes da FCU, a prisão de Kasparov, na verdade, teria sido uma manobra da polícia para impedir que ele participasse de manifestação que foi realizado neste domingo, em São Petersburgo, onde cem pessoas foram presas, entre elas Boris Nemtsov e Nikita Belykh, líderes do partido do partido União da forças de direita (SPS).

Kasparov, que ganhou o posto de líder de oposição por suas críticas ferrenhas à Putim, comparou o presidente russo aos ditadores Franco e Pinochet. Ele já havia sido detido em maio, durante a cúpula Rússia-União Européia. À época, a prisão foi muito criticada pela primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel. O ex-campeão de xadrez fundou o FCU em 2005 para 'desbancar' o presidente russo.

Outro fato que impulsionou a crise na campanha eleitoral russa foi a declaração do líder do partido da da formação liberal Yábloko, Grigori Yavlinski, que classificou de 'assassinato político' a morte de Farid Babáev. Para Yavlinski, Babáev teria sido morto porque investigava a repressão das manifestações pacíficas na Rússia e o seqüestro de inocentes pelo governo. Babáev sofreu um atentado na última semana, na porta de sua casa.
.
.
.

Água mineral

.
.
.
Água mineral chinesa mata galinha em menos de um minuto.


Havia leite brasileiro na água chinesa.
.
.
.

Você lê horóscopo?

.
.
.
Recebi um e-mail de algum lugar vago qualquer, já devidamente deletado, mas o assunto é que chamou a atenção: Personal Love Prediction Horoscope.


É mole?
.
.
.

sábado, 24 de novembro de 2007

5

.
.
.
Cinco anos.

Para quem veio com a intenção de ficar somente três... Os planos vão mudando.

Como diria o pessoal do Melhores do Mundo: "a vida é uma caixinha de surpresas" .
.
.
.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Futebol é coisa para macho... Rev 1.

.
.
.
Número de pessoas que sei que torcem por algum time: 7.

Homens: 2 que torcem pelo Corinthians.

Mulheres: 1 pelo Palmeiras, 4 pelo São Paulo.
.
.
.
Se mais alguém se apresentar, eu altero a lista. Eu estou fora dela.
.
.
.

Religiões, religiosos e paciência

.
.
.
Gosto de conhecer a respeito de religiões. A filosofia, a forma como olham para o homem e encaram a eternidade.

O que me torra a paciência são os religiosos...

Os pregadores, os caçadores de almas, os juizes (leia-se: carrascos) prontos a condenar qualquer um que não pense da mesma forma.

"Toquem as trombetas, o fim está próximo..." Posso até concordar, mas mudar no último instante? Roer as unhas e correr atrás do prejuizo? Parem com isso.

E, das que conheço, todas tem os seus fanáticos. O que pega não é a diferença das religiões, mas a estupidez dos homens. A minha (caso eu tivesse uma oficial) não é melhor que a sua, nem pior.

Melhor parar de falar nisso!
.
.
.

Os porta-vozes

.
.
.
Já alertava o escritor William James que “Quando você tem que fazer uma escolha e não a faz, isso por si só já é uma escolha”. O podcast da semana é dedicado às escolhas. Às pessoas que são capazes de se distanciar do “grande rebanho” e dar sonoros “SIM” e “NÃO”. Sim ao gosto individual! Sim ao risco! Não ao conformismo! Não ao gosto da maioria!

O pano de fundo é a história do Aquiles Priester, um amigo que tornou-se um dos maiores bateristas do mundo a partir de uma escolha arriscada.
A trilha sonora passa por Luiz Tatit, Angra, Marisa Monte e o maluco beleza Raul Seixas. Acesse em http://www.lucianopires.com.br/cafebrasil/podcast .

OS PORTA-VOZES

No programa do Jô a senadora petista Ideli Salvatti, perguntada sobre a incoerência do PT, que sempre combateu a CPMF e agora a defende, respondeu que é assim mesmo, que a oposição tem que dificultar. Mesmo contra os interesses do país... Enquanto falava, Ideli ostentava aquele sorriso sarcástico dos que só têm compromisso com o cinismo.

Ideli é uma porta-voz. Faz parte de uma máquina empenhada em dividir o Brasil em dois e colocar um lado contra o outro, espalhando a discórdia, a inveja e o ódio. Tudo em nome da “justiça social”. Já vimos esse filme na Alemanha, China, Vietnan e em tantos outros países onde grupos iluminados decidiram que sabiam como tornar a sociedade mais justa. O resultado foi um punhado de mortos. Só uns 200 milhões...

Quando eu tinha nove anos, um de meus melhores amigos era o Bóia, meu vizinho, filho de uma família de japoneses cujo pai era mecânico de automóveis. A família morava nos fundos da oficina, uma autêntica “boca de porco” – como a maioria das oficinas no começo da década de sessenta. Eu era de classe média – o equivalente à classe B de hoje – com pai executivo e mãe professora. O Bóia era o que hoje consideramos classe C. E éramos excelentes amigos. Eu vivia na casa dele. Não me lembro de jamais ter algum problema pela diferença de classes.

Me lembro também de nossa empregada, a Maria. Sua família vivia na roça em Jacuba, próximo a Iacanga, perto de Bauru. E lembro-me de ir com ela passar o final de semana por lá, dormindo na casa humilde, almoçando e jantando com eles. E eu era o filho do patrão. Nenhum problema.

Na escola eu dividia a sala de aula com garotos de todas as classes sociais. A percepção do Brasil que me acompanhou durante aquele período de infância e juventude foi a do país cordial, tolerante, bem humorado e com um futuro brilhante. E mesmo com todos os problemas de país subdesenvolvido, era um Brasil feliz. Essas lembranças representam um ideal de país que já vivi, mas que parece não existir mais.

Recentemente, saindo com a família de um jantar numa churrascaria, comecei a conversar com um dos manobristas sobre futebol e política, enquanto aguardava o carro. Um papo natural, bem ao estilo dos brasileiros. Aquele manobrista sabia que eu havia gastado o equivalente a seu salário mensal no jantar. Mas naquele momento éramos apenas dois brasileiros conversando animadamente. O abismo social não impedia a cordialidade e o respeito entre nós.
A mesma cordialidade e respeito que existia entre eu, o Bóia e a Maria.

Mas a turma que se intitula “porta-voz” dos oprimidos não admite essa cordialidade. Nas situações que descrevi, nunca vê dois brasileiros. Vê um explorador e um explorado. Quer que eu me sinta culpado.

Uma pregação que se quer marxista, socialista, esquerdista ou revolucionária – mas que na verdade só é burra – está dividindo o país em duas classes: a “elite” e os oprimidos. E dizendo a elas que não “se misturem”. Na verdade, que se odeiem. Essa pregação doentia rotula-me de elite, dando conotação de ofensa ao termo. E diz que sou responsável pela miséria.
Para os “porta-vozes”, os miseráveis e oprimidos têm o direito de colocar um revólver na minha cabeça e levar meu relógio. E a culpa será minha.

Os “porta-vozes” são uma minoria instalada nos partidos políticos, nos órgãos governamentais, nos sindicatos, nas escolas, nas empresas, nas igrejas, em seu condomínio. Uma minoria ideologicamente confusa e míope, a serviço de uma estratégia de poder. Uma minoria capaz de mobilizações, e que acaba influenciando a maioria silenciosa...

Quem foi que deu a essa turma a licença para ser “porta-voz” do ódio? A que objetivos serve essa doutrinação? Qual é a percepção de país que esses porta-vozes lutam para criar na cabeça dos meninos e meninas de nove anos de hoje? Será aquela do Brasil cordial que eu, o Bóia e a Maria tínhamos? Ou será a do Brasil no qual devo ter medo do Bóia e da Maria e eles devem me odiar?

Dispenso os “iluminados” que acham que podem mudar o mundo. Prefiro continuar humildemente não fazendo aos outros o que não gostaria que fizessem comigo.

Se 180 milhões de brasileiros agirem assim, vamos colocar o Brasil nos trilhos. Sem precisar do cinismo dos “porta-vozes”.
Luciano Pires
http://www.lucianopires.com.br/

Para garantir que nossos comunicados cheguem em sua caixa de entrada,adicione o email cafebrasil@lucianopires.com.br ao seu catálogo de endereços.A Luciano Pires respeita a sua privacidade e é contra o spam na rede.Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele
sua inscrição aqui.
.
.
.

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Andanças

Talvez eu ainda mude este texto...
.
.
.
Andanças


Sinto no corpo e na alma
O fardo do Tempo
E a mão pesada do Destino.
Das andanças
Por caminhos desconhecidos
Caminhos tortuosos
Caminhos que não levaram a lugar algum
Que me obrigaram a capitular
E retornar pelos mesmos percalços.
Essa procura por Honra
Essa procura por Luz
Para me manter são
Para me manter ereto.
Os nãos
As portas fechadas
Os falsos sorrisos
Deixaram suas marcas
Cicatrizes
Um coração endurecido
Solidão
Expiação.
O gládio sempre ao alcance da mão.
Havia uma canção
A qual já não recordo totalmente
Falava de sonhos e de Paz
Lealdade e honra.
E de amor incondicional.
O tempo passado é distante.
O lar é meu peito
Um cidadão de mim mesmo.


J Carlos Favoretto
22 Novembro 2007
Da serie: Azul
.
.
.

Qual a sua idade?

.
.
.
Teste (bocó) para se calcular a idade real.

Eu fiz, espero conseguir chegar até o fim de semana pelo menos... Bão, na verdade deu 7 meses a mais que a idade cronológica, pensei que daria mais...

É um teste rápido, acho que se se colocasse na balança outras variáveis, teriamos resultados muito diferentes. Por ex. não se pergunta qual a media de horas ou a regularidade delas por dia; coisa que acho que é essencial.

Por curiosidade, la vai: http://www2.oprah.com/health/lifestages/realage/health_real_main.jhtml
.
.
.

De sonhos que se perderam no tempo

.
.
.
Sonhos


Sinto saudades,
Saudade dos sonhos,
De coisas que não fiz.
Da realidade não.
Os sonhos eram reais,
A realidade surreal.
Saudade de mãos que não afaguei,
De bocas que não beijei,
Do carinho que não recebi,
E, portanto, não retribui.
Via-me feliz dentro de sonhos.
A realidade, não vivi,
Sobrevivi.
Dentro dos sonhos,
Um dia poderia tudo,
Na vida real, fiz de tudo,
Não descansei, foi cruel.
Não sinto saudades.
Dentro dos sonhos,
Um dia seria feliz.
Na realidade,
Não vi a plena felicidade,
Não foi de todo ruim,
Mas os momentos felizes,
Não foram suficientes,
Para aplacar a sede de busca.
Saudade de filhos,
Saudade de pais,
Presentes de Deus.
Tempos de renúncia,
Renuncia de amizades,
Renuncia de amores,
Renuncia de mim mesmo,
Em busca de sonhos,
Que se perderam no caminho,
Em busca de sonhos,
Que continuaram exatamente isso,
Sonhos.
Saudade das possibilidades.
De coisas que não tive,
De presentes que não dei,
Saudades de pessoas,
Que não vi, que não toquei,
Conheci sem conhecer,
Amei sem olhar nos olhos.
Estranho isso?
Sonhei um sonho feliz.
Paixões,
Ilusões,
Sonhos.
O homem vive pela paixão, a ilusão e o sonho.


J Carlos Favoretto
29 Novembro 2004

Da serie: Azul
.
.
.

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Escorpiões gigantes e mulherões

Pesquisadores europeus encontraram a garra fossilizada de um escorpião do mar de 2,5 metros de comprimento em uma pedreira, na Alemanha, segundo artigo publicado na revista especializada Biology Letters.

A espécie viveu há 390 milhões de anos e foi nomeada Jaekelopterus rhenaniae. Ela teria habitado rios e pântanos.

Segundo os cientistas, o tamanho do escorpião sugere que outros animais, como aranhas, insetos, caranguejos e criaturas similares podem ter sido muito maiores no passado do que se pensava.
Apenas a garra encontrada mede 46 cm, indicando que o dono dela seria maior do que um homem de altura média.

O fóssil torna este escorpião quase 50 cm maior do que qualquer outro já encontrado anteriormente.

Acredita-se que os euriptéridos são os ancestrais aquáticos, já extintos, dos modernos escorpiões e possivelmente de todos os aracnídeos.

"O maior escorpião em existência mede quase 30 cm. Isso mostra o quão grande essa criatura era", disse Simon Braddy, da Universidade de Bristol, na Inglaterra, um dos autores do artigo.
Markus Poschmann, co-autor, foi quem descobriu o fóssil perto de Prum, no sudoeste da Alemanha.

"Eu estava escavando pedacinhos de pedra com um martelo e um formão, quando me dei conta de que havia uma mancha negra de matéria orgânica em uma pedra recém-retirada", lembra ele.

"Depois de limpá-lo, pude perceber que se tratava do pedaço de uma garra grande. Apesar de não saber se ela estaria completa, decidi continuar a escavação."

"Os pedaços foram limpos separadamente, secos, e então colados. A garra foi então colocada em um molde de gesso para que fosse estabilizada."

A espécie viveu durante um período em que os níveis de oxigênio na atmosfera terrestre eram muito mais altos do que os de hoje.

Alguns paleontólogos acreditam que essa abundância de oxigênio foi parcialmente responsável pelo tamanho de muitos invertebrados que existiam na época, como centopéias monstruosas, baratas gigantes e libélulas jumbo.

Mas Braddy acredita que o tamanho gigante, na verdade, estava relacionado à falta de predadores vertebrados. Quando eles surgiram, os insetos gigantes viraram presa.

"Se você for grande, é mais provável que você seja visto e identificado como uma refeição gostosa", disse ele à BBC. "A evolução não seleciona os maiores; se você for pequeno, você consegue se esconder."

Acredita-se que os escorpiões começaram a andar na terra há cerca de 450 milhões de anos.
Enquanto alguns viraram animais terrestres, outros, como o Jaekelopterus rhenaniae, teriam mantido um estilo de vida aquático, ou semi-aquático.



Quando avistadas, sempre lembramos do mulherão do grupo...
.
.
.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Cópias em carbono

video

Recebi da Celia.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Ah, o amor...

Imagem de Lev Savitskiy
.
.
.
O amor é lindo, não é mesmo?
.
E como uma coisa puxa a outra... Estávamos no dia da abertura de um restaurante perto de onde trabalhávamos. O pessoal do restaurante totalmente perdido, serviço atrasado. Éramos uns oito, por aí... E desse pessoal, havia um casalzinho que estavam sempre juntos, formavam uma dupla bonita.
Uma colega vendo os dois juntos no restaurante, virou para mim e disse isso: "o amor é lindo, não é mesmo?". Resposta malcriada com um traço de antecipação: "é, enquanto dura"...
.
Ela rindo disse que eu era malvado... Tive de concordar.
.
Algum tempo depois, em uma Segunda-feira, ele sentou na frente de minha mesa:
- "larguei da Arlete" (nome fictício - não para poder preservar a moça, é que não lembro mesmo o nome da menina).
- " que chato, vocês se davam tão bem...". Respondi sem parar com o que estava fazendo.
- "Estou namorando a Cris" (again - eita memória de m...).
- "Como é que é???".
.
As duas trabalhavam na mesma empresa... Todos nós conhecíamos as duas, imaginem o clima lá dentro.
.
.
.

Feriado




Tem feriado nesta semana...


O primeiro dos dois que podemos desfrutar...
.
.
.

Stupid milk

.
.
.
Passei no supermercado agora há pouco, o único que fica aberto 24 horas... País de primeiro mundo, sabem como é.

Leite, pão, açúcar... E lembrei-me de minha amiga, sempre ironizava quando me via comprando ou bebendo leite - Stupid milk como diria ela - E agora sabendo o que andou acontecendo no Brasil, tenho de concordar...
.
.
.

sábado, 17 de novembro de 2007

Estágios




Passei incólume pelas 3 primeiras. Espero nunca precisar da última.
.
.
.

Mulher a beira de um ataque de nervos...


Depois piora...
.
.
.
Mas hão de concordar que o colorido é bonito.
.
.
.

Feinho é a mãe!


Multicolor


Remédios, diversão e arte


Do blog antigo:


Eu fui estagiário lá... Eu me achava tão bom. Quer dizer que aquilo não era balinha?




Fonte: http://oglobo.globo.com/blogs/moreira/default.asp?a=88&periodo=200701

A pílula azulzinha na berlinda
É um dos remédios mais vendidos do mundo. No seu rastro, logo surgiram concorrentes. Espertalhões fizeram "genéricos" que na verdade são placebos. Tem até um made in Paraguay... A pílula azulzinha virou fenômeno mundial, um ícone da cultura pop e consumista. Mas um grande grupo americano não está nada satisfeito com esse tal de Viagra. A Aids Healthcare Foundation (AHF) acionou o fabricante do comprimido contra a impotência - a gigante Pfizer - na Justiça. A organização sem fins lucrativos acusa a indústria de promover ilegalmente o uso recreativo do Viagra.
"A Pfizer criou e contribuiu para a percepção do Viagra como uma droga segura, sexy, recreativa e que dá um estilo de vida, a ser usada independentemente do grau ou mesmo da existência de disfunção erétil", disse o grupo em nota.
Para a AHF, o uso indiscriminado de Viagra leva ao aumento do número de casos de Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis. A Pfizer diz que o assunto é tratado de forma explícita na exposição do produto: o Viagra não protege contra a Aids.
Em 2004, autoridades americanas já proibiram um comercial de TV do Viagra que pregava que, com a pílula azul, os "dias selvagens" da juventude estariam de volta. O que acontece, diz o AHF, é que mesmo homens que não enfrentam o problema da impotência estava buscando a tal selvageria da mocidade. Para a fundação, a Pfizer faz os consumidores verem o Viagra como um "remédio para festa".
Mas a Pfizer não abre mão de jogar pesado em publicidade. No ano passado, a companhia anunciou antes do jogo do Super Bowl, o horário mais caro da TV americana, incentivando os americanos a se tornarem "o jogador mais valioso" (ou, no ingês, o MVP)e perguntarem aos seus médicos sobre o medicamento.
A venda do Viagra em 2005 chegou a US$ 1,6 bilhão em todo o mundo. Já a AHF cuida de dezenas de milhares de pessoas contaminadas pelo HIV e que não tem condições de arcar com o caro tratamento. A organização, que atua nos EUA, na África, na América Latina, no Caribe e na Ásia, quer que parte dos lucros da Pfizer vá para os doentes que tenham se contaminado pelo "mau uso" do Viagra.


Sem querer defender a Pfizer, mas já defendendo. Remédio é remédio e tem que ser encarado como tal. Ainda mais dessa categoria que vai mexer com todo o seu metabolismo. Quem me conhece sabe o quanto eu evito remédios...
Quanto as doenças sexualmente transmissíveis, talvez a Pfizer devesse fazer um acordo com a Johnson...
"Pfizer-Jonhson adverte, as camisinhas que acompanham as pílulas NÃO deverão serem tomadas e SIM, colocadas, veja instruções na bula."
Na entrada da Pfizer havia um mural que dizia (salvo erro): "Ciência para o bem estar da humanidade".

.
.
.

Muscle Cars



Imagens de Bruce Whitaker


http://autoshow.autos.msn.com/autoshow/SEMA2007/Article.aspx?cp-documentid=5684265&GT1=10559



sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Igualdades

.
.
.
Resposta no meio da noite:
.
.
.

NÃO IMPORTA A NACIONALIDADE, NÃO IMPORTA A CULTURA, A LÍNGUA...

EM MATERIA DE CURIOSIDADE, MULHER É TUDO IGUAL.
.
.
.

Vou morrer ainda por essa resposta.
.
.
.

domingo, 11 de novembro de 2007

sábado, 10 de novembro de 2007

Se querem meu sangue...

.
.
.
Nunca tenha um vampiro como sócio...

Irá ficar sem sangue.
.
.
.

Foi leite?


Imagem de Matteo Bottin


É impressão minha ou o copo que está no chão era de leite???
.
.
.

sexta-feira, 9 de novembro de 2007

Recebi de um amigo:
.
.

Eu parando com a cerveja, e era o leite que tava me matando!
.
.

I'll be back.

.
.
.
E eu que achei que seria "Hasta la vista, baby..."


"Eu voltarei" ("I'll be back", em inglês), pronunciada por Arnold Schwarzenegger no primeiro filme da série Exterminador do Futuro, ficou em primeiro lugar em uma pesquisa realizada pelo site britânico myfilms.com sobre as frases do cinema mais usadas no dia-a-dia.

A enquete, que ouviu duas mil pessoas, questionou também em qual filme os participantes gostariam de ter estrelado como atores.

Entre as mulheres, os filmes mais mencionados foram Dirty Dancing - Ritmo Quente e Uma Linda Mulher, enquanto os homens preferiam atuar nas aventuras de James Bond ou em um dos filmes da saga de O Senhor dos Anéis.

"A pesquisa revela a influência enorme que o cinema exerce na vida das pessoas, de experiências mais dramáticas até o modo como nos comunicamos", afirma um porta voz do myfilms.com.
De acordo com a pesquisa, a segunda frase mais emprestada das falas do cinema é "Francamente, querida, não dou a mínima" ("Frankly, my dear, I don't give a damn"), pronunciada pelo personagem Rhett Butler, estrelado por Clark Gable, na cena final de E o Vento Levou... (1939).

Entre as mais usadas está também a famosa "Que a força esteja com você" ("May the force be with you"), de Guerra das Estrelas e "A vida é como uma caixa de chocolates" ("Life is like a box of chocolates"), do personagem Forrest Gump, vivido por Tom Hanks.
Segundo a pesquisa do myfilms.com, as dez frases do cinema mais usadas pelo público foram pronunciadas por homens.
Entre os filmes que aparecem na lista estão clássicos do cinema como Casablanca, Táxi Driver e E o Vento Levou.

Algumas frases favoritas:

"Eu Voltarei" ("I'll be back") - Exterminador do Futuro

"Francamente, querida, não dou a mínima" ("Frankly, my dear, I don't give a damn")- E O Vento Levou

"Que a força esteja com você" ("May the force be with you") - Guerra nas Estrelas

"A vida é como uma caixa de chocolates" ("Life is like a box of chocolates") - Forrest Gump

" Você está falando comigo?" ("Are you talking to me?") -Taxi Driver

"Tá feliz, seu inútil?" ("Do you feel lucky, punk?")- Dirty Harry

"Ele está olhando para você, garota" (He's looking at you, kid")- Casablanca

"Ninguém põe Baby de escanteio" ("Nobody puts Baby in the corner") - Dirty Dancing
.
.
.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Ihhhh, fedeu!


RIO - Uma semana depois de uma universidade dos EUA apresentar super-ratos (capazes de correr ininterruptamente por 6 horas), cientistas japoneses anunciaram a criação de roedores destemidos, capazes de se aproximar despreocupadamente de gatos.

De acordo com o estudo, desenvolvido na Universidade de Tóquio e publicado na revista científica "Nature", ao inserir um determinado gene nos ratos, os cientistas conseguiram remover seletivamente certas células do seu sistema olfativo, que recebem impulsos nervosos através da cavidade nasal. A mudança genética fez os ratos perderem a habilidade de associar o cheiro do gato ao medo inato de um predador.

" O sistema olfativo dos mamíferos mede várias respostas, incluindo a aversão a alimentos estragados e o reconhecimento de predadores através do cheiro "

Segundo Hitoshi Sakano, que liderou o estudo, os ratos mutantes e destemidos mostraram que há dois circuitos nervosos independentes no seu sistema olfativo - um natural e outro desenvolvido através do aprendizado. Isso por que os animais não demonstram aversão aos odores dos gatos, embora pudessem detectar a sua presença com a parte do sistema ligado ao aprendizado, que não foi modificada. Como medida de precaução, porém, os gatos usados na experiência foram alimentados antes do encontro.

- Não podíamos nos arriscar a perder cobaias tão valiosas - explicou Sakano.

Segundo ele, a pesquisa é importante porque mostra ser possível anular a aversão natural que os mamíferos (incluindo o homem) têm em relação a certos odores.

- O sistema olfativo dos mamíferos mede várias respostas, incluindo a aversão a alimentos estragados e o reconhecimento de predadores através do cheiro.
.
.
Esse japonês é um sacana. Sorry, Sakano.
.
.
.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Mortinho da Silva




Um novo canal de televisão na Alemanha vai tratar em sua programação exclusivamente do tema morte.

O canal Etos TV vai mostrar documentários incluindo temas como cemitérios bonitos e reportagens sobre o trabalho de agentes funerários.

A emissora também vai explicar que preparativos para o próprio funeral podem ser tomados ainda em vida. Qual a novidade? Os faraós egipcios já faziam isso há milênios...

Segundo o diretor da empresa, Wolf Timann Schneider, Etos TV é um projeto sério para um novo canal de informação especializada. Manuais de autoajuda?

"Vamos tratar do assunto de maneira respeitosa, não queremos um canal para vender caixões", disse Schneider em entrevista à revista alemã Focus.

Etos TV já obteve a licença para transmitir sua programação via satélite e deverá começar a operar antes do final deste ano. A palavra "operar" ficou meio estranha aqui...

O canal deverá ser financiado através de anúncios fúnebres em forma de filmes curtos sobre pessoas falecidas, que serão mostrados entre os programas. A programação deve incluir temas como "morra bem e seja feliz" ou "como fazer sua familia se sentir culpada"

Wolf Schneider diz que há um grande mercado na Alemanha, já que todo o ano morrem 830 mil pessoas no país. Estão de olho no bau.

A Associação Alemã de Agentes Funerários é uma das proprietárias do canal e espera reavivar a tradição do enterro no país. PQP... Reavivar? Esses caras estão de brincadeira...

Segundo a associação, cada vez menos alemães optam em seus testamentos por uma cerimônia fúnebre tradicional. "Quero uma fita amarela gravado com o nome dela"...

No início de suas transmissões o canal Etos TV vai produzir apenas três horas de programação, que serão repetidas durante todo o dia. Querem matar o telespectador de tédio.
.
.
.
Já devem ter até a chamada: "em Deus nós confiamos".
.
.
.
.
.
.
Agora entendi o significado da sigla


PT


Perda Total
.
.
.

domingo, 4 de novembro de 2007

Tinha de ser um mané...

.
.
.
Eu recebi hoje de manhã este e-mail:


Dear Sir / Madam,

Please find an attachment from Ministry of Energy & Mineral Resources, regarding US$26,500,000.00 (Twenty Six Million Five Hundred Thousand United States Dollars),
Please kindly read carefully and endeavor to contact me immediately.

Thanks, Dr. D Manuel




Eu retirei o nome completo para não ficar mais constrangedora a mensagem.

Será que precisam de ajuda para administrar esse dinheiro? Sem más intenções, porque sempre suei para ganhar o meu.
.
.
.

sábado, 3 de novembro de 2007













MERCURY COUGAR XR-7 V8


2 Portas
Azul
1971-1971
89500 Km

R$ 42.990,00
Santo André - SP

LINCOLN CONTINENTAL CONTINENTAL
R$ 39.000,00
4 portas
Prata
1994-1994
116200 Km



Pois é, e eu tenho os dois aqui...

O gato lá de cima é ano 90, pelo que entendi, sem nenhum no Brasil. Esse que achei, pelo ano, seria carro colecionável.



O Lincoln é 96.

Leite contaminado? ? ?



sexta-feira, 2 de novembro de 2007

SEMA



A cidade de Las Vegas, nos Estados Unidos, sedia a partir desta terça-feira (30), a 41ª edição do SEMA, (Specialty Equipment Market Association, ou Associação de Mercado de Equipamentos Especializados - ou Customizados). O evento, o maior de tuning dos Estados Unidos, terá a presença das principais montadoras expondo seus carros novos, antigos e modificados, além de empresas especializadas em personalização de carros.

Será uma oportunidade de conhecer os “brinquedos” de Chip Foose, apontado como o designer mais famoso de veículos modificados. Ao todo, são esperados mais de 100 mil visitantes e expositores. Para a edição deste ano, a Toyota será a marca oficial. A empresa japonesa herdou o trono da General Motors, Ford e DaimlerChrysler, donas do espetáculo em 2006 e da Honda, em 2005. O salão dura quatro dias e é fechado ao público.


Um pouco a respeito de Foose:




Empresários

O EMPRESÁRIO

Quando garoto em Bauru eu ia com meus pais aos eventos sociais e sempre admirava os amigos deles. Um era médico. O outro, advogado. Outro era Juiz. Tinha o professor, o industrial e o engenheiro. Mas tinha uma categoria que me deixava curioso: o Empresário.

O termo “empresário”, para mim, sempre teve uma conotação positiva. Nunca foi substantivo, sempre foi adjetivo.Dava a entender que a pessoa era séria, tinha responsabilidades, fazia acontecer.

Eu nunca entendi o que seria exatamente um empresário, mas em minha cabeça de garoto a definição acabou sendo simples:- Ele tem uma firma. Uma firma! Empresário era o “dono da firma”. E assim cresci, sonhando em um dia ser um empresário, ter a minha firma. A vida acabou me levando para outros caminhos e construí minha carreira como executivo de uma multinacional. Não virei empresário, mas tenho vários amigos que são.

A definição de empresário é: “Indivíduo que estabelece seupróprio negócio, assumindo os riscos e tendo como objetivo aobtenção de lucros”. No Código Civil encontramos a definição no artigo 966: “Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços.”

Portanto, a princípio qualquer um pode ser empresário. O negócio pode ser uma lanchonete. Uma casa de tolerância. Um templo. Uma lavanderia. Um serviço de acompanhantes. Uma boca de fumo. Qualquer negócio dá ao dono o rótulo de “empresário”.

Outro dia encontrei um dos meus amigos empresários, o Raul, em plena crise existencial.

O Raul enchia a boca dizendo que fazia parte de uma das categorias responsáveis por levar o Brasil pra frente, criando empregos, pagando impostos, movimentando a economia. E isso o enchia de orgulho. Quando chegava aos hotéis, preenchia a ficha de entrada com capricho, escrevendo“empresário” com letras maiúsculas.

Mas um dia o Raul começou aprestar atenção às notícias. Viu o Fred Godoy, aquele secretáriodo Lula. É empresário. O Silvinho “Land Rover”. Empresário. OMarcos Valério, empresário. Renan Calheiros, em sua versãovaqueira, é empresário. O Lulinha é empresário. O Oscar MaroniFilho, dono do Bahamas, é empresário. Uns pastores aí são empresários.

E, pra piorar, um curioso movimento começou a incomodá-lo. Os empresários verdadeiros começaram a ser considerados exploradores, sonegadores, aproveitadores. E o xingamento supremo chegou: elite. No Brasil de hoje, ou “nestepaíz”, ser empresário é quase-crime. Principalmente se o sujeito é um empresário bem sucedido. Lucro é sinônimo de butim...

Pronto. O Raul entrou em crise. Passou a ter vergonha de ser identificado como empresário. Está inconformado. Não quer mais ser empresário. Seu sucesso agora é uma mancha. Sua categoria virou rótulo de bandido. Sente-se “persona nongrata”. Não querser colocado no mesmo saco daqueles outros “empresários”. Está sofrendo uma crise de identidade. E me disse, tristonho:- Pô, devia ter vestibular pra empresário.

Pois para ajudá-lo, lançarei a “EmpreZONA”, uma certificaçãopara classificar empresários.

A EmpreZONA terá quatro categorias:

1) O empresário-de-ouro, para os que cumprem suas obrigações, causam impacto positivo na sociedade e têm consciência da influência que exercem sobre a comunidade onde atuam.

2) O empresário-de-prata, para os que cumprem as obrigações etêm bom desempenho, dentro do esperado.

3) O empresário-de-bronze para os que estão organizados e empenhados em contribuir, mas apenas começando. E por fim...

4) Os empresários-de-merda. Não precisa explicar, né?

Para concorrer às três primeiras categorias, mande-me um e-mail candidatando-se. Mas para concorrer à quarta categoria tem que pegar senha.
A procura será grande...

Este artigo é de autoria de Luciano Pires(www.lucianopires.com.br) e estáliberado para utilização em qualquer meio, contanto que sejacitado o autor enão haja alteração em seu conteúdo. Tomamos a liberdade deenviá-lo pois seu e-mail faz parte de nosso cadastro. Ele foicolocado lá por você ou por algum amigo (ou inimigo) que achouque você iria gostar (ou odiar).Caso não queira mais receber mensagens como esta, copie a URLabaixo(http://lucianopires.smartcrm.com.br/modules/emailmkt/section/envio/optout.php?INTE_ID=4040696&EMMA_ID=213)
.
.
.
Eu já fui empresário... A história é longa e sem um final feliz. Um dia, eu conto.
.
.
.

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

O que um elefante ve quando está drogado?

.

.

.

Em 1962, o diretor do zoológico Lincoln Park, de Oklahoma, nos Estados Unidos, injetou uma dose maciça de LSD no elefante Tusko, em nome da ciência.



Tusko se virou, soltou um berro e morreu em menos de uma hora. A dose era três mil vezes maior do que a usada para fins recreativos.



Os cientistas justificaram a experiência, dizendo, na época, que queriam ver se a droga detonaria uma condição que afeta machos da espécie conhecida como "musth", na qual eles se tornam agressivos e soltam uma substância grudenta de odor desagradável de suas glândulas. A experiência concluiu que os elefantes são muito sensíveis ao LSD.



O experimento faz parte de uma lista com as dez experiências mais bizarras já realizadas em nome da ciência, publicada na edição desta quinta-feira da revista News Scientist.
O autor, Alex Boese, conta que começou a compilar a lista quando estava na faculdade, estudando história da Ciência.



"Eu confesso que não tinha nenhum motivo intelectual profundo, simplesmente achava as experiências fascinantes", escreve Boese. "Elas me encheram de incredulidade, surpresa, nojo e, o melhor de tudo, gargalhadas."



Entre as outras experiências da lista, estão o enxerto de cabeça, ombros e pernas dianteiras de um filhote de cachorro no pescoço de um pastor alemão pelo cirurgião soviético Vladimir Demikhov em 1954.
Ocasionalmente, as duas cabeças brigavam entre si. A criatura sobreviveu por seis dias.
O cirurgião repetiu a experiência outras 19 vezes durante 15 anos e o animal que viveu mais tempo durou um mês.


A conclusão: A rejeição dos tecidos torna os animais incompatíveis.
Na época, a experiência provocou críticas de ser apenas um golpe de propaganda para enaltecer cientistas soviéticos, mas hoje em dia atribui-se a Demikhov o desenvolvimento de intrincadas técnicas cirúrgicas que abriram o caminho para o primeiro transplante de coração.



Há ainda o caso do médico que esfregou vômito fresco de pacientes de febre amarela em ferimentos, e chegou a beber o vômito, para tentar provar, erroneamente, que a doença não era contagiosa.
Ele ficou doente e mais tarde foi provado que a febre amarela é altamente contagiosa.



Em 1960, dez soldados americanos foram colocados em um avião e, em seguida, informados pelo sistema de alto-falantes que havia um problema e a nave estava prestes a cair. Uma aeromoça então pediu aos soldados, que acreditavam estar diante da morte certa, que preenchessem um formulário da empresa de seguros.



Quando o último soldado entregou a ficha, foi explicado que tratava-se de um teste e que ninguém estava morrendo. A experiência revelou que, sob o medo da morte iminente, as pessoas cometem mais erros ao preencher formulários.



A lista é tão extensa que virou o livro Elefantes sob ácido e outras experiências bizarras (em tradução livre). Alex Boese, no entanto, acredita que "as experiências não são trabalho de idiotas".



"Todas foram feitas por cientistas honestos e trabalhadores que não estão preparados para aceitar explicações de senso-comum sobre como o mundo funciona", diz o autor.



"Às vezes, essa força de vontade leva a descobertas brilhantes. Outras vezes, beiram a loucura. Infelizmente, não há como saber de antemão para onde a viagem vai levá-lo."

.

.

.