domingo, 29 de maio de 2011

"Velho não merece respeito"

"Velho não merece respeito"

Estou me especializando em andar de ônibus em São Paulo.
Bem, na verdade não. Somente em acertar os horários que são melhores para eu entrar e sair do trabalho. Tento entrar sempre pelo menos meia hora mais cedo, e se sair no meu horário "normal" de trabalho tenho de ser rápido para não ficar uma eternidade nas plataformas, isso ou esperar pelo menos uma hora e meia a mais trabalhando. Tudo isso e as suas consequências.
Por exemplo, não faço questão de sentar quando tem um banco vazio, sempre aparecerá um idoso requisitando o banco, alguns nem esperando que alguém se habilite a liberar um banco para ele depositar o traseiro cansado... Já entram reclamando que hoje em dia só tem gente mal educada, etc, etc. Então vou em pé, com meu ciático rindo as minhas custas. Mas com ele eu me entendo.
E se não é um idoso, talvez seja alguma grávida de algumas horas, alguém que corre para pegar o ônibus e se apresenta com a bengala para uma descansadinha.

O mundo está estranho.

Mas a frase do início do texto não é minha, é do meu tio Zé, lembro dele todos os dias.
Conforme ele diz, os velhos não merecem respeito porque não se dão ao respeito, não dão bons exemplos; como já estão com alguma idade acham que podem tudo, inclusive serem mal educados, esquecendo que o próximo que está mais próximo muitas vezes é mais idoso que ele...

Palavras do tio Zé.

E antes que eu seja crucificado e o tio Zé também, devo dizer que ele, o tio Zé, vai completar 80 anos de lucidez e paciência no fim deste ano.

sábado, 21 de maio de 2011

Onde eu estava com a cabeça?


Bichos dentro de casa...
Fazem a gente perder a cabeça.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Livros 2011

Na pag 60:

"Era uma chuvosa e fria noite de março..."

E dois parágrafos além:
"A praça, quando nela desembocaram, estava cheia de vento e poeira..."

CHUVA E POEIRA... Não há história de terror que resista a isso.

Talvez Jekyll tenha escrito um parágrafo e Hyde o outro.

domingo, 15 de maio de 2011

sábado, 14 de maio de 2011

Parem o mundo, eu quero descer

Ontem eu não consegui assistir o Jornal Nacional. Mudei de canal logo de cara.
Foi aprovado um livro de Português onde os autores defendem o uso da língua de forma espontânea ou errada, dependendo da situação em que o sujeito se encontrar... E davam um exemplo, "os livro blá blá blá"... Porque ninguém tem obrigação de decorar uma serie de regras que não serão usadas sem necessidade.
"Os livro"? ? ? @&$%@¨$((*@#.
Onde vamos parar com isso?
Certo estava o Rui quando disse:

A degeneração de um povo, de uma nação ou raça, começa pelo desvirtuamento da própria língua.

Rui Barbosa

Citação do blog http://burrofalante.blogspot.com/

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Ponto a ponto

Tomei o ônibus no ponto final no meu bairro e fui até o terminal da Lapa.
Viagem rápida... Mas parecia que não iria acabar.
Já no próximo ponto dei lugar a uma senhora de idade, a moça que estava sentada ao meu lado fez o mesmo para a segunda idosa... Ali começou o martírio. Ônibus cheio, não lotado, mas não dava para sair de perto.
Ela descreveu os problemas que a sua coluna apresentava, indicou convênio, médico, fez autodiagnose.
Os ouvidos doiam, meu ciático aplaudia. Acho que meu rosto devia estar demonstrando o que eu pensava a respeito do beco sem saida.
De qualquer forma estava melhor que na Segunda-feira, quando na volta para casa, entrou um bêbado que fazia um bom tempo que não tomava banho... Ria, falava sozinho, ameaçava o motorista, e quase matou de naúseas os que estavam próximos.
Politicamente incorreto?
O sujeito está no fundo do poço. Certo.
Mas ninguém merece compartilhar isso.
Deu para notar que eu não sou fã de transporte público?

Livros 2011




Tem um buraco no meu livro ! ! !

Simplesmente não existem as páginas de nº 81 a 97...

@%#$@#$$#

domingo, 8 de maio de 2011

Mom

Livros 2011


O nono livro do ano. O oitavo coloco quando for devolvido.

Este eu recomendo, para quem gosta de história e de histórias.

A capa diz "um pais que tinha tudo para dar errado".

A pergunta que não quer calar: DEU CERTO???